Ir al contenido principal

Viseu y Ramiro II de León.

Hace unos dias pasé por Huesca, visité San Pedro el Viejo y la catedral, recordando la leyenda de la campana y Ramiro II "el monje". Hoy ha caido en mi pantalla esta leyenda sobre Ramiro II de León y la ciudad de Viseu, patria de mi amiga Catarina Rocha y su "Viseu senhora da Beira". Esto debe ser un especie de enlace neuronal....una cosa lleva a la otra. El artículo está extraido del blog https://ruilyra.blogspot.com , mi agradecimiento.





 Viseu "D. Ramiro II, Rei das Astúrias e de Leão, que reinou desde o anno de Christo de 931 até o de 950, n'uma excurção que fez de Vizeu, onde então residia, por terras de moiros, viu e enamorou-se da famosa Zahara, irmã de Alboazar, rei moiro, ou alcaide do castello de Gaia sobre o rio Douro. Recolheu-se D. Ramiro a Vizeu com o coração tão captivo, e a razão tão perdida, que sem respeito aos laços, que o uniam a sua esposa D. Urraca, ou como outros lhe chamam D. Gaia, premeditou e executou o rapto de Zahara. Enquanto o esposo infiel se esquecia de Deus e do mundo nos braços da moira gentil n'um palácio à beira mar, o vingativo irmão de Zahara, trocando affronta por affronta, veio de cilada, protegido pela escuridão de uma noite, assaltar e roubar nos seus próprios paços a rainha D. Gaia. A injúria vibra n'alma de Ramiro o ciúme e o desejo de vingança. O ultrajado monarcha vôa à cidade de Vizeu, escolhe os mais valentes d'entre os seus mais aguerridos soldados, e la vae á suaa frente caminho do Douro. Chegando à vista do castello d'Alboazar, deixa a sua cohorte occulta n'um pinhal, e disfarçado em trajes de peregrino, dirige-se ao castello, e por meio de um anel, que faz chegar às mãos de D. Gaia lhe annuncia a sua vinda. O peregrino é introduzido immediatamente à presença da rainha, que fica a sós com elle. Alboazar tinha ido para a caça. D. Ramiro atira para longe de si as vestes e as barbas, que o desfiguravam, e corre a abraçar a esposa. Esta porém repelle-o indignada, e lança-lhe em rosto a sua traição. No meio de um vivo diálogo de desculpas de uma parte, e de recriminações da outra, volta da caçada Alboazar. D. ramiro não pode fugir. Já se sentem na proxima sala os passos do moiro. A rainha, parecendo serenar-se, occulta o marido n'um armário, que na camara havia. Mas apenas entrou Alboazar, ou fosse vencida d'amor por elle, ou cheia d'odio para com o esposo pela fé trahida, abre de par em par as portas do armário, e pede vingança ao moiro contra o christão traidor. D'ahi a pouco era levado el-rei D. Ramiro a justiçar sobre as ameias do castello. Chegado ao logar de execução pediu o infeliz, que lhe fosse permittido antes de morrer despedir-se dos sons accordes da sua bozina. Sendo-lhe concedida esta derradeira graça, D. Ramiro empunha o instrumento, e toca por tres vezes com todas as suas forças. Era este o signal ajustado com os seus soldados, escondidos no proximo pinhal, para que, ouvindo-o, lhe acudissem apressadamente. Portanto n'um volver d'olhos foi o castello cercado, combatido, tomado, e depois incendiado. A desprevenida guarnição foi passada ao fio da espada, e Alboazar teve a morte dos valentes: expirou combatendo. E D. Gaia, como ao passar o Douro para a margem opposta, se lastimasse e mostrasse dôr, vendo abrasar-se o castel'o, foi victima também do ciume de D. Ramiro que cego d'ira a fez debruçar sobre a borda do barco, cortando-lhe a cabeça de um golpe d'espada. Á fortaleza em ruínas ficou o povo chamando o castello de Gaia, à margem do rio, onde aportou o barco de D. Ramiro, deu-lhe o nome de Miragaia, em memória d'aquele fatal mirar da misera rainha". Esta é pois a lenda que se resume ter dado origem ao Brasão de Viseu




. Temos assim que o Castelo representa o de Alboazar, o tocador de corneta, o rei D. Ramiro e a árvore, o bosque em que se esconderam os habitantes de Viseu. Lenda ou fábula ela representa uma forma de interpretação e porque carregada de antiguidade merece bem que se respeite como tal. Mas fazendo fé em Vilhena Barbosa, nem tudo será hipotético porque "D. Ramiro II roubou a moira Zahara, irmã ou filha d'Alboazar, a qual se fez christã, tomando no baptismo o nome de Artida ou Artiga. Repudiando a rainha D. Urraca, casou segundo uns, ou viveu amancebado segundo outros, com Zahara de quem teve um filho, chamado D. Alboazar Ramires que foi o primeiro fundador do Mosteiro de Santo Thirso".

Comentarios

Entradas populares de este blog

Sílvia Pérez Cruz | Estranha forma de vida

Habrá quien se escandalice pero esta "estranha forma de vida" es otra cosa en la voz de Silvia.

No importa lo que cante, todo lo hace maravillosamente bien.

EL TANQUE DE PENHA GARCIA

He pasado unos días por tierras de Idanha a Nova en la Beira Baixa. En Penha Garcia, bonita y limpia población con gentes amabilísimas, me encontré con este tanque (Yo diría que es un M-41) y que me recordó a Coruña del Conde pues-parece ser- el alcalde pidió un avión y como no quedaba ninguno de desguace les enviaron el tanque que (dizque) participó en la revolución de los claveles.
Monsanto, muy agradable .Idanha a Nova, la ermita de  Nossa Senhora de Almortâo (la de la canción popular) y el fiasco de Monfortinho completaron la excursión.