ALDINA

No hace mucho que hablé de ella y lo hago de nuevo porque esta mujer encierra una excepcional sensibilidad que deja escapar en sus canciones y en toda su poesía.
Este "Deste-me tudo o que tinhas"  de su CD "Crua" (2006) es uno de mis favoritos.

Deste-me tudo o que tinhas nos meus lençóis de cetim
Mais a raiva quando vinhas desencontrado de mim
O meu corpo dependente bebia da tua mão
Naquela mistura quente de desejo e perdição
Jurei que um dia mudava
Que de tudo era capaz
Já nem o sangue me lava
E tu nem raiva me dás
Parti os saltos na rua
Dei a vida pela vida
Mas agora eu olho a lua
E não me sinto perdida
Esqueci a tua morada
E tu nem raiva me dás
Agora que não me dás nada
Deste-me um pouco de paz.

Comentarios

Entradas populares de este blog

Con Aldina y Raquel en el infierno de Madrid

Catarina Rocha y su Viseu.

"DON SABELOTODO" (Relato picante con moraleja)